E se a postura exterior fosse um reflexo da postura interior?

Hoje ligou-me a Rita, precisava da minha ajuda, num problema que a sua filha Bia de 6 anos tem, ao nível da postura corporal.

Ao telefone dizia-me: “tudo piorou desde que ficamos em casa de quarentena, acho que é das posições erradas que ela tem, as queixas dela das costas aumentaram. Estou a ligar-lhe para ver se me consegue fazer umas palmilhas, para melhorar a postura dela. Estou cansada de lhe dizer para colocar aquelas costas direitas, mas sabe como são as crianças, não ligam nenhuma ao que os pais dizem…”

Mal vi a Bia, era nítida a tensão enorme que ia dentro daquele pequeno coração. Era como se senti-se ao longo de muito tempo, o peso do mundo sobre as suas costas. Com a quarentena tudo piorou, o mundo acabara de ruir sobre as suas costas, era peso a mais para aquele pequeno esqueleto suportar.

De nada serve dizer á criança para colocar as costas direitas, nem muito menos, colocar umas palmilhas quando o corpo se revela como um tsunami. Foi preciso eu trabalhar a um outro nível, com outra consciência e libertar aquele pequeno coração. As crianças têm esta função incrível e extraordinária, de trazerem para a luz aquilo que os adultos,  tentam a todo o custo manter nas profundezas da sombra.

Não será na sombra que está a mudança?

Já todos sabemos, que este ser microscópico (vírus) fez parar o mundo. Obrigou-nos a recolher em quarentena para confrontarmos as nossas vidas, o nosso lar, sobretudo a sombra que há dentro dele. Considero uma oportunidade de ouro, para resolvermos tudo que temos para resolver, para comunicar o que é necessário comunicar, para prestarmos atenção àquilo que antes não tínhamos tempo, para amar, para criar, restruturar, largar ou para reanimar. Vivíamos numa distração louca, mergulhados num ruído externo e numa cegueira total.

A frase de Antoine de Saint-Exupéry “O essencial é invisível aos olhos” é mágica. Para muitos de nós o invisível não existe,  eu penso que é exactamente, o que é invisível aos olhos que é real.

One Reply to “E se a postura exterior fosse um reflexo da postura interior?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *